O que é Computação em Nuvem - Cloud Computing:

Computação em nuvem ou Cloud computing é um termo usado para descrever um ambiente de computação baseado em uma rede massiva de servidores, sejam virtuais ou físicos. Cloud computing hospeda as cloud applications, que são as aplicações que estão residentes nesta nuvem (cloud). Cloud computing pode ser visto como o estágio mais evoluído do conceito de virtualização.

Uma arquitetura em cloud é muito mais que apenas um conjunto (embora massivo) de computadores. Ele deve dispor de uma infra-estrutura de gerenciamento que inclua funções como provisionamento de recursos computacionais, balanceamento dinâmico do workload e monitoração do desempenho.

O conceito de cloud computing já é comum em algumas das empresas mais famosas da internet como o Google e o Yahoo, que mantém parques computacionais com centenas de milhares de máquinas. Para se ter uma idéia do que são estas nuvens de servidores, estima-se que as cinco maiores empresas de busca na Internet tenham ao todo um parque computacional de cerca de 2 milhões de servidores.

Acredita-se que no futuro ninguém mais precisará instalar nenhum software em seu computador para desempenhar qualquer tipo de tarefa, desde edição de imagens e vídeos até a utilização de programas de escritório (Office), pois tudo isso será acessível através da internet.

Então, seria o fim dos softwares ? A grande movimentação em torno da computação em nuvem levou as empresas a apostarem cada vez mais nessa tecnologia. Porém, Otávio Pêcego, arquiteto de soluções sênior da Microsoft Brasil, acredita que o fim dos softwares locais não está tão perto.

Hoje, algumas empresas do mundo internet como o Google e a Amazon já oferecem seu imenso parque computacional para outras empresas. A IBM não está, com o Blue Cloud, entrando diretamente no negócio de oferecer nuvem de servidores para aluguel, mas sim em possibilitar que as empresas construam sua própria nuvem, seja para uso interno ou para ser comercializado externamente.


O que se ganha com esta arquitetura:

O primeiro benefício é uma melhor utilização dos recursos computacionais, potencializando os conceitos de consolidação e virtualização. Além disso, reduz sensivelmente o time-to-market para aplicações e-business e Web 2.0, que demandam conceitos do modelo computacional on-demand (alocar recursos à medida que for necessário, de forma dinâmica).

A computação em nuvem traz muitas facilidades ao usuário. Uma das principais é a sua flexibilidade. A utilizaçãode aplicativos é feita diretamente pela internet, logo não é necessário ao usuário instalar nenhum programa em seu computador. Dessa maneira, a tecnologia não exige um equipamento potente para acessar essas aplicações e também independe do sistema operacional utilizado. A ideia é possibilitar acesso de documentos em qualquer computador. Como parte mais pesada do processamento fica na nuvem, só é necessário ao usuário um browser para se conectar à internet.

Também existe aqui um ganho escalar de custo-benefício, ou seja, os gastos com equipamento estão sendo transferidos para gastos em serviços, uma vez que não haverá mais necessidade de se preocupar com a manutenção da infraestrutura física dos equipamentos e focar apenas nos serviços oferecidos. Um problema originado dentro das corporações é o alto custo com Tecnologia da Informação(TI). As organizações de TI gastam hoje 80% de seu tempo com a manutenção de sistemas e não é seu objetivo de negócio manter dados e aplicativos em operação. É dinheiro jogado fora, o que é inaceitável nos dias de hoje, defende Clifton Ashley, diretor do Google para a América Latina. Dentro desse contexto, o PC será apenas um chip ligado à internet, a "grande nuvem" de computadores. Não há necessidade de instalação de programas, serviços e armazenamento de dados, mas apenas os dispositivos de entrada (teclado, mouse) e saída (monitor) para os usuários. Uma arquitetura em nuvem é muito mais que apenas um conjunto (embora massivo) de computadores. Ela deve dispor de uma infra-estrutura para gerenciamento, que inclua funções como provisionamento de recursos computacionais, balanceamento dinâmico do workload e monitoração do desempenho. [...] (WIKIPÉDIA A ENCICLOPÉDIA LIVRE).


Os desafios para a computação em nuvem:

Apesar de todas as facilidades, a computação em nuvem ainda enfrenta alguns desafios para conseguir mais adeptos. A primeira preocupação encontrada está ligada à segurança e, logo, à credibilidade de uma empresa que terá acesso a todos os seus documentos e programas.

Há muitas controvérsias no que diz respeito à segurança em um ambiente como o da computação em nuvem. Para Eugene Kaspersky, cofundador de uma das empresas de segurança mais promissoras da atualidade, a segurança totalmente baseada na nuvem não funciona. “Às vezes eu quero compartilhar meus dados com as pessoas, mas muitas vezes não. Por isso, acredito que no futuro usaremos aplicações híbridas. Algumas delas funcionarão na web, outras no desktop”, diz Kaspersky sobre o possível futuro da computação em nuvem.

No caso de países como o Brasil, onde pouco mais de 20% da população tem acesso constante à internet, a principal barreira é a própria conexão. Na computação em nuvem, é necessária uma boa velocidade para que seja possível trabalhar com documentos e programas. Dessa pequena parcela que tem acesso à internet no país, poucos têm à disposição uma velocidade ideal para uma entrada livre aos aplicativos, tornando a computação em nuvem algo ainda distante para grande parte dos brasileiros.

Outro fator importante é em relação aos padrões que serão desenvolvidos em cloud-computing. “O que irá acontecer quando alguma empresa resolver mudar o seu contrato de serviço de cloud computing, como será feita a transferência dos dados?”. Uma iniciativa pioneira com o propósito de promover a padronização dos serviços: a Cloud Security Alliance, projeto que começa a se desenvolver para tratar de questões desta natureza. Além disso, é preciso evitar a generalização da abordagem. “Não se pode tratar um sistema de banco de dados da mesma forma como se trata um sistema para a web”.


Considerações Finais:

Os usuários estão pouco preparados para esta revolução da informática, a velocidade da internet em alguns países ainda não é suficiente para que a computação nas nuvens seja implantada, o que tornaria o serviço lento e caro mesmo com a economia que seria feita na parte de hardware. Posteriormente vem o problema da segurança, pois, já que todos os dados estarão em um poucos servidores, todas as idéias mal intencionadas também se dirigiriam a estes, e, se por algum motivo estes servidores parassem de funcionar corretamente, um grande caos seria instalado. A partir daí surge a desconfiança e o receio da sociedade, provavelmente a maior barreira que será enfrentada pela computação nas nuvens, poucos confiariam em deixar suas informações, muitas vezes confidenciais, armazenadas em outro lugar, longe da sua vigilância.

Contudo, é importante lembrar que algumas empresas já usam deste serviço, porém em pequena escala, dentro de si própria. Este assunto preocupa e interessa porque engloba a segurança virtual de milhões de usuários pelo planeta. Por isso, um balanceamento precisa ser feito e com todos os benefícios e os riscos informando a população, impedindo também que mitos sejam criados. A primeira questão a ser observada é a aceitação da sociedade, quais serão os métodos de segurança empregados? E se, algum dia o sistema do servidor parasse, para onde iriam todos os dados? De fato, uma grande resistência deverá acontecer, e esta, para ser vencida, precisará de muitos esclarecimentos. A segunda questão é a infra-estrutura. Uma vez que a internet distribuída não seria capaz de suprir toda a demanda. Poucos usuários trocariam a agilidade do seu computador apenas pela praticidade de carregá-lo para onde quisesse. Como pretendem os servidores suprirem este problema? E a terceira e mais contundente questão. Se todos os dados estariam em poucos servidores pelo planeta, então todos os crackers estarão em prol desses mesmos. A vulnerabilidade gerada por esta questão é incontestável. E a mesma precisa ser discutida. Enfim, a computação em nuvens é um assunto novo, mas que promete mudar as diretrizes da Tecnologia da Informação. Ela precisa ser esclarecida pois quando menos se espera o futuro chega e surpreende a todos.


Fontes:

B2B Magazine: http://www.b2bmagazine.com.br
G1: http://g1.globo.com/tecnologia
Info Abril: http://info.abril.com.br/

Insoonia: http://insoonia.com
Oficina da Net: http://www.oficinadanet.com.br/
TecMundo: http://www.tecmundo.com.br/738-o-que-e-computacao-em-nuvens-.htm
WIKIPÉDIA : http://pt.wikipedia.org/wiki/Brasil